quarta-feira, 13 de julho de 2016

Aula n°17 (Juventude) - JESUS E O TEMPLO

Aula nº:​ 17 SERF ​   e  ​  CEC

Data: 15 e 28 / 06 / 2011

Tema: Jesus e o Templo

Atividade de Integração
Pedir para que os jovens formem duplas ou trios, entregar pequenos papeis, e pedir para que cada dupla/trio desenhem o Templo mais bonito que eles conseguirem imaginar. 

Compartilhar: O que isso tem a ver com o conteúdo da aula de hoje?
Relatar o tema, e pedir para que eles guardem o desenho com eles mesmos, para a auto avaliação que eles farão até o final da aula.

Sugestão para aplicação do conteúdo doutrinário
1o. Momento:
Pedir para que os jovens se dividam em 4 grupos, e que leiam e desenvolvam um jeito de explicar para os demais grupos (através de desenho, teatro, explicação, etc.) as histórias do anexo 1.
2o. Momento:
Apresentação para os demais grupos.
3o. Momento:
Batata quente – perguntas no Anexo 2. (Tirando dúvidas)
Colocar apenas as 4 primeiras perguntas, após serem respondidas, colocar as outras 2 (5 e 6) para que façamos outra reflexão. Pergunta extra feita pelo evangelizador:
“7 – Vocês mudariam o desenho de vocês do começo da aula? ”
4o. Momento:
Terminar com os jovens relendo o poema “Jesus no Templo” (Anexo 3).
Tempo 
10´ → Atividade de integração
10´ → 10. momento
05´ → 20. momento
20´ → 30. momento
10´ → 40. momento

Material
Cópias dos Anexos 1, 2 e 3.
Folha sulfite, lápis, lápis de cor, borracha.
Caixinha para colocar as perguntas (Anexo 2)

Fonte de Consulta:
“Estudos Espíritas do Evangelho” – Therezinha Oliveira

ANEXO  1

A Apresentação de Jesus no Templo (Lucas 2)
Seus pais o levaram (vs, 22-24) , sendo Jesus um filho primogênito, mandava lei dos israelitas que fosse apresentado ao Senhor, no Templo, e sua mãe levasse uma oferenda. Os pais de Jesus cumpriram essa lei, levando-o (com apenas um mês de nascido), como eram pobres, ofereceram somente dois pombinhos.

Simeão o identifica (vs. 25-35): homem justo e piedoso, Simeão morava em Jerusalém e “o Espírito Santo estava nele” (era médium dos bons Espíritos). Fora avisado (mediunicamente) que não morreria antes de ver o Cristo. No dia em que os pais de Jesus o levaram ao Templo, inspirado espiritualmente Simeão também foi lá e, ao ver Jesus, o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo:
Agora, Senhor, despede em paz o teu servo, segundo a tua palavra, porque os meus olhos já viram a tua salvação (...)”
Ante a admiração de Maria e José por esse louvor e profecia sobre Jesus, Simeão esclareceu:
_ Eis que este menino, está destinado tanto para ruína como para levantamento de muitos em Israel, e para ser alvo de contradição, para que se manifestem os pensamentos de muitos corações”:
Anunciou, também, que Maria teria sua alma transpassada por uma espada (...sofreia uma grande dor).

Ana, a profetisa (vs.26-28): também médium, era uma mulher de idade avançada (84 anos). Apenas sete anos estivera casada, enviuvando bem moça. Desde então não se apartava do Templo, servindo a Deus noite e dia, em jejuns e oração. Chegou ao Templo na mesma hora da apresentação de Jesus e “louvava a Deus e falava de Jesus a todos aqueles que esperavam a redenção de Jerusalém”.

A expulsão dos vendilhões
(Mt 21: 12-14, Mc 11: 15-18, Lc 19: 45-46, Jo 2: 14-17)

No pátio dos gentios havia comércio (de animais e objetos de culto), câmbio de moedas (para visitantes e forasteiros) e coletas de esmolas ou donativos. Tudo isso causava muito movimento, ruídos, vozerio, agitação, num jogo de interesses, disputas e ambição que:
  • desviava a finalidade do Templo;
  • Perturbava o seu ambiente espiritual.
Certo dia, quando entrou no Templo, Jesus fez azorrague dos cordéis e começou a expulsar a todos que compravam e vendiam, bem como as ovelhas e bois,; derramou pelo chão o dinheiro dos cambistas, virou as mesas deles e as cadeiras dos que vendiam pombos; e não deixava que ninguém conduzisse nenhum utensílio peloTemplo (talvez de recolher donativos).

Com isso, Jesus:
  • não condenava nem impedia o serviço espiritual do Templo;
  • nem afastava os sacerdotes ou os fiéis dos cultos.
O que procurava era:
  • corrigir o desvio da finalidade superior do Templo;
  • defender a pureza da atividade espiritual dentro dele.
Estaria transtornado pela cólera, quando agiu assim?
Verificamos que não, porqu enão feriu nenhum ser vivente (nem mesmo os pombos, cujas gaiolas mandou retirar para que eles não se ferissem); apenas afugentou animais e pessoas, derrubou dinheiro e virou mesas e cadeiras.
Por que agiu desta forma espetacular? A fim de atrair a atenção de todos para o que queria ensinar:

_ Não está escrito: “A minha casa será chamada casa de oração? Vós, porém, a tendes feito covil de salteadores.”

Graças às preparação psicológica que Jesus fizera nos assistentes, plelo impacto emocional que causou, o ensino ficou gravado no espírito de todos, de modo indelével:
  • os discípulos lembraram do salmo “O zelo de tua casa me consumiu” (Salmos 69:9)
  • o povo todo comentou o fato, passando o ensino adiante;
  • nenhum dos quatro envangelistas deixou de registrar o acontecimento.
Os ensinos subsequentes à expulsão dos vendilhões (Lc 20:1-8)

O acontecimento provocou muitas perguntas e comentários que Jesus aproveitou, para ministrar outros ensinamentos. Vamos citar apenas dois deles, que têm relaçao mais direta com o Templo.

_"Com que autoridade fazes estas coisas? Quem te deu essa autoridade?
Indagação dos principais sacerdotes e anciãos do povo a Jesus, no Templo, no dia seguinte ao da expulsão dos vendilhões.
"_ Eu também vos farei uma pergunta: se me responderdes também eu vos direi com que autoridade faço estas coisas.
Donde era o batismo de João, do céu ou dos homens?
Confabularam entre si.
_ Se dissermos: Do céu, ele nos dirá: Então, por que não acreditastes nele? E se dissermos: Dos homens, é de temer o povo, porque todos consideram João como profeta.
Como não lhes convinha responder nem de um jeito nem de outro,disseram:
_ Não sabemos.
_ Nem eu vos digo com que autoridade faço estas coisas."

Ensino: ao enfrentar adversários, não se indignar nem acusar, usar a inteligência.

Em três dias o reerguerei. (Jo 2:18-22)
Perguntaram-lhe os judeus:
"_Que sinal nos apresentas tu, para proceder deste modo?
_ Destruí este templo, e eu o reerguerei em três dias.
_ Em 46 anos foi edificado este templo, e tu hás de levantá-lo em três dias?

Mas ele falava do templo do seu corpo. Depois que ressurgiu dos mortos, os seus discípulos lembraram-se destas palavras e creram na Escritura e na palavra de Jesus."

Jesus, por sua grande evolução, em apenas três dias estava em plenas condições de equilíbrio e ação no mundo espiritual, após a desencarnação, assim reaparecendo aos seus discípulos, fazendo, tanto do seu corpo fluídico como o fizera com o físico, um templo divino.

Feio ou bonito, saudável ou enfermo, íntegro ou deficiente, nosso corpo foi planejado para ser também um templo divino, onde devemos fazer o culto do eterno bem. Como e para quê o estamos usando?


No Templo, com os doutores da lei (Lc 2:41-50)

Tinha Jesus doze anos, quando foi com seus pais a Jerusalém, em uma caravana, para uma das festas religiosas dos israelitas, no Templo.
Ao final das festividades, Maria e José se retiraram, acompanhando a caravana em que tinham vindo: pensavam que Jesus seguia também, em meio a amigos e parentes.
Um dia depois, se deram conta da ausência de Jesus e voltaram a Jerusalém à sua procura.

No terceiro dia (levaram um dia para ir, outro para voltar). "O encontraram no templo" (num dos pátios ou pórticos), "assentado no meio dos mestres" (doutores da lei), "ouvindo-os e interrogando-os. E todos os que o ouviam muito se admiravam da sua inteligência e das suas respostas."

Ao encontrarem Jesus, no Templo, Maria lhe perguntou:
_" Filho, por qu efizeste assim conosco? Eis que teu pai e eu te procurávamos, aflitos!"
_" Por que me procuráveis?", respondeu Jesus. "Não sabíeis que devo ocupar-me das coisas do meu Pai?"

Narra Lucas que Maria e José "não compreenderam as palavras que lhes disse". Não entenderam que "as coisas" a que se referia Jesus eram os assuntos espirituais, e que "meu Pai", no caso, não era José, o genitor terreno, mas Deus, o Criador.

O registro de Lucas, porém, permite compreendermos que, aos doze anos, Jesus já estava consciente de sua responsabilidade perante Deus, interessado nos assuntos espirituais e com apreciável conhecimento das leis e dos profetas. Fazia antever o cabedal maior com que, na vida adulta, iria dialogar com os simples e os doutos sobre o "reino dos céus".

Após o episódio do Templo, Jesus "Desceu com eles, foi a Nazaré e lhes era submisso. Sua mãe conservava todas essas coisas no coração. E Jesus crescia em sabedoria, idade e graça Divina de Deus e dos homens." (Lc 2:51-52)

No mais, a infância de Jesus deve ter decorrido como a dos outros meninos judeus do seu tempo: entre brinquedos em casa e na vizinhança, o aprendizado do ofício de carpinteiro com o pai e os estudos das Escrituras na sinagoga de Nazaré.
Falta qualquer comprovação para relatos outros sobre a infância de Jesus, mesmo que sejam livros mediúnicos.

ANEXO  2
1- Qual a definição de "Templo", segundo os ensinamentos de Jesus?
2- Por que Jesus expulsou os vendilhões?
3- Por que José e Maria ficam procurando Jesus por TRÊS DIAS?
4- o que Jesus disse aos pais após ter sido encontrado falando com os Doutores da Lei? O que ele quis dizer com essas palavras?
5- O que é entendido por Templo nos dias atuais?
6- Após a expulsão dos vendilhões a mais ou menos 2000 anos atrás, houveram outros registros de vendilhões (ou vendas) dentro de "templos" até os dias atuais?


ANEXO 3
Poema: Jesus no Templo 

JESUS NO TEMPLO

Lá vão José e Maria
Por Jesus procurando.
Já é o terceiro dia,
Prá lá e prá cá andando.

Eis que alguém lhes diz:
(Para aliviar seus temores)
Ele está bem feliz
No Templo com os doutores.

Nada houvera de mal!
O angustiado casal
Chama Jesus - Ele vai.

Porém, deixa esclarecido,
Que ninguém está perdido
Se está na Casa do Pai!

ANEXO 4 - Música: Jesus aos doze anos

Compositor: João Cabete
Jesus Cristo quando era criança
Com seus pais foi ao templo orar
Nos olhinhos mostrando esperança
Aos doutores se pos a ensinar

(estribilho)

Seja o amor como a flor
Que perfuma servindo o jardim
Sem ferir ou exigir
Jesus Cristo ensinava assim

A caminho de casa voltando
Se assustaram os papais de Jesus
Que ficara no templo ensinando
Como encher nossas almas de luz

Seja o amor como a flor
Que perfuma servindo o jardim
Sem ferir ou exigir
Jesus Cristo ensinava assim

A mamãe quando o filho encontrou
Explicou-lhe Jesus com doçura
A família que Deus me legou
É no mundo qualquer criatura


Seja o amor como a flor
Que perfuma servindo o jardim
Sem ferir ou exigir
Jesus Cristo ensinava assim

Baixe os arquivos desta aula:
<< Home                   Aulas-Juventude >>