domingo, 17 de abril de 2016

Tomando decisões

Enquanto o pai se entretinha a ler um jornal, Gustavo, de onze anos, pegou um livro da estante e pôs-se a folheá-lo.

De repente parou, e perguntou:

— Papai, o que é livre-arbítrio?

O pai colocou o jornal de lado e tirou os óculos:

— Livre-arbítrio, meu filho, é a capacidade que o ser humano tem de tomar suas próprias decisões, fazer suas escolhas. Entendeu?

— Não.


Cheio de paciência, o pai respondeu:


— Por exemplo, Gustavo. Amanhã é sábado e tem treino de futebol à tarde. Você vai?

— Não sei, papai. Também tenho convite para ir a uma festa de aniversário, no mesmo horário.

— Eu sei. Aniversário do Jorginho, seu amigo de infância. E então? O que você vai resolver? Vai ao treino ou vai à festa?

— Acho que não vou à festa do Jorginho, papai. Creio que vou ao treino.

— Ah, então você já se decidiu?

O garoto pensou um pouco e respondeu:

— O futebol é um compromisso que assumi no início do ano e não devo faltar. O time precisa de mim. Porém, pensando bem, papai, se eu não for ao aniversário, o Jorginho vai ficar chateado comigo.

— Então, você vai ao aniversário do seu amigo?

Gustavo coçou a cabeça, confuso, e considerou:

— Pensando bem, existe outro problema. Na próxima semana nosso time tem um jogo importante, que faz parte do campeonato entre as escolas. Ah, Meu Deus! Não sei o que fazer!

O pai sorriu e explicou:

— Livre-arbítrio é exatamente isso, meu filho. Entre duas ou mais opções, você tem que decidir. Nesse momento, você vai ter que se resolver: o prazer ou o dever.

— Agora eu entendi, papai. Mas é muito difícil tomar decisões!

O pai concordou com ele, recomendando que pensasse bastante até o dia seguinte para não tomar uma decisão errada.

— Meu filho, o livre-arbítrio é uma dádiva de Deus, mas também é uma conquista do Espírito no trajeto evolutivo realizado. Então, precisamos pensar bem antes dequalquer decisão. Seja ela certa ou errada, ficaremos sempre condicionados às consequências dos nossos atos, segundo a Lei de Ação e Reação, ou Lei de Causa e Efeito.      

Como era tarde, foram dormir.


No dia seguinte, Gustavo estava sentado à mesa tomando o café da manhã, quando o pai lhe perguntou:

— E daí, meu filho? Resolveu?

— Pensei bastante e ainda não me decidi. Porém, até a tarde, eu resolvo.

Quase na hora de sair, Gustavo apareceu na sala com a mochila e um pacote embrulhado para presente na mão.

— Vejo que você se decidiu pelo aniversário, Gustavo. Quer dizer que o prazer ganhou — disse o pai.

O garoto balançou a cabeça negativamente.

— Não? Então, vai ao treino. Ficou com o dever.

Gustavo balançou a cabeça novamente:

— Também não, papai.

— Não estou entendendo!

— É que apareceu uma terceira alternativa, papai. Lembrei que teremos prova de matemática na segunda-feira. Então, vou estudar na casa de um colega que entende bem a matéria. Antes, porém, vou passar na casa do Jorginho, dar-lhe os parabéns e entregar o presente que comprei para ele. Assim, o prazer e o dever serão igualmente atendidos.

O pai estava surpreso e maravilhado. Seu filho Gustavo, que ele julgara um pouco desleixado com relação às suas tarefas, mostrara que era ponderado e responsável, tomando decisões com habilidade.

Levantou-se, estendendo os braços para o rapazinho:

— Parabéns, meu filho. Você soube decidir entre o prazer e o dever. Mas, diga-me, e o treino? O time tem jogo importante na semana que vem...

Abraçando o pai, com enorme sorriso no rosto, o garoto explicou:

— É verdade, papai. Porém, fiquei sabendo hoje cedo que o jogo será adiado. Então, não tive mais dúvidas. Agora estou tranquilo, certo de que fiz o melhor.

Gustavo despediu-se do pai e da mãe, pegou a mochila com os livros, o presente e, acenando uma última vez, fechou a porta atrás de si.

O pai estava feliz. Sentia-se realizado por ter um filho que usara o livre-arbítrio de maneira tão responsável.

                                                        TIA CÉLIA


http://www.oconsolador.com.br/ano7/354/espiritismoparacriancas.html


>>Home           >>Hisórias