sábado, 4 de outubro de 2014

Educação Espírita

Mensagem do Espírito Benedita Fernandes, Psicografia Divaldo Franco

A educação tem regime de urgência.

Na tarefa da educação devem ser investidos os melhores recursos de que se pode dispor, a fim de que se colimem os objetivos elevados em prol de uma sociedade mais justa, portanto, feliz.



Desejando homens nobres, no futuro, deve-se educar a criança desde hoje.

Educar é fomentar a vida sob qualquer aspecto em que se apresente.

A abrangência do verbo educar envolve o compromisso espiritual de criar, desenvolver e estimular os valores transcendentes do ser, não se atendo, apenas, a qualquer programática exclusivista, cuja ótica distorcida limita o vasto campo das suas realizações.

Por isso, o Espiritismo é uma doutrina essencialmente educativa, plasmadora de funções e  aquisições de sabor eterno, porque penetra nas causas geradoras dos fenômenos humanos, solucionando os  problemas vigentes onde quer que se manifestem.

Dessa forma, a educação espírita, de profundidade, portanto, não se limita à contribuição de recursos intelectuais, artísticos e convencionais, senão, à equação dos desafios evolutivos, reparando o indivíduo para tentames elevados e grandiosos.

Não se há porque descurar o dever da educação de todos os homens, especial e  principalmente da criança e do jovem.

A educação é compromisso de todo o dia e instante, em razão da sua complexidade.

A educação espírita – que se baseia no amor e na instrução, que iluminam a consciência e libertam o ser das injunções perniciosas – tem como instrumento o exemplo do educador que deve pautar a conduta pelo que ensina, superando-se em atos, de modo que as sementes de que se vale, de  superior qualidade, manifestem-se em forma de paz e realização nele próprio.

Allan Kardec, como Jesus, foi educador, ensinando e vivendo as lições de que se fez intermediário com elevada abnegação e estima pela criatura, em consequência, pela humanidade.
Parafraseando Jesus, que disse: “Somente pelo amor será salvo o homem”, permitimo-nos afirmar que “Somente pela educação serão salvos o amor e o homem.

Benedita Fernandes

(Do livro Antologia Espiritual, psicografia de Divaldo Franco)


Benedita Fernandes nasceu aos 27/6/1883 em Campos Novos de Cunha (SP) e desencarnou em Araçatuba aos 9/10/1947. Benedita transformou-se em pioneira da assistência social espírita em toda a região Noroeste do Estado de São Paulo, ao fundar a Associação das Senhoras Cristãs, aos 6/3/1932, em Araçatuba. Ela é uma das pioneiras dos Hospitais Psiquiátricos Espíritas. Além da obra assistencial atuou como médium, principalmente passista, e deixou muitos exemplos nobilitantes.