sábado, 24 de junho de 2017

A Lição da Bondade


A Lição da Bondade

Quando Jesus entrou vitoriosamente em Jerusalém, montado num burrico, eis que o povo, alvoroçado, vinha vê-lo e saudá-lo na praça pública.

Muitos supunham que o Mestre seria um dominador igual aos outros e bradavam:
- Glória ao Rei de Israel!...             ●●●►

quarta-feira, 21 de junho de 2017

EL BUEN EDUCADOR


El educador antes que nada ha de ser una persona que esté educada.

Pese a que esta afirmación pueda parecer una obviedad, desgraciadamente no suele corresponder a la realidad. No, en la mayoría de los casos. Pero es de pura lógica que quien pretenda educar a otros deba de estar bien educado y tener la capacidad de educar a otros, ya que nadie pueda dar aquello que no tiene.

¿Y que significa estar bien educado?

Lo que hace la diferencia, muy probablemente, reside en el deseo constante de mejorar y superarse a sí mismo, de alcanzar nuevas metas y estar siempre dispuesto a aprender de los errores, a sacar lo bueno y positivo que hay en todas las cosas, en todas las situaciones y, que duda cabe, en todas las personas.

Estar educado es haber desarrollado y potenciado en buena medida lo mejor de uno mismo, nuestros talentos, tener un proyecto de vida bien dirigido y un porqué al que dirigir nuestros esfuerzos.

Ser o estar educado tiene mucho que ver con la actitud coherente que debe haber entre nuestros pensamientos, sentimientos y acciones.

Además de estas cuestiones, ha de poseer una serie de condiciones que lo convierten en una persona capaz de transmitir al otro aquello que se desea transmitir.        ●●●►


sexta-feira, 16 de junho de 2017

Ausstreichen (Spielgruppe: Förderung des Selbstwertgefühles)


Ziel: Einem anderen Vertrauen schenken und ihn etwas Gutes tun. Beruhigt werden und beruhigen lassen, den Partner bewusst wahrnehmen.

Besonderer Hinweis: Die Spielleiterin gibt die Anregungen den Kinder laut bekannt. Aufpassen, dass die Kinder sich wohl fühlen und Intimitäten respektiert werden. Zuerst bei sich selber beginnen.

Alter: ab 6 Jahre

Dauer: max. 5 Minuten

Gruppe: Paarbildung

Material: Decken und Matten

Spielanleitung: Es bilden sich Zweiergruppen. Ein Kind liegt am Boden auf dem Bauch, die Arme augestrect neben dem Körper.Der Körper wird von dem Davorsitzenden von Kopf bis Fuss augestrichen. Die Hände können sich dabei verändern. Einmal streichen nur die Finger, die Handflächen, die Fäuste, die Fingerkuppen, auch der Druck kann verändert werden. Die Arme nicht vergessen mit auszustreichen. Dann Rollentausch.


Quelle: Meine stärksten Gruppenspiele, Rex Verlag, Luzern


terça-feira, 13 de junho de 2017

Jogo: "Nas pegadas de Jesus"

Jogo: “NAS PEGADAS DE JESUS”


Contém: Tabuleiro com trilha (desenho de nome “NpegMestr”), peões, dado e cartas.

Nota: O tabuleiro, basta imprimir o desenho e se desejar o ampliar em cartolina, os peões podem sem confeccionados em forma de cone (com mesmo formado de chapeuzinhos de aniversário), ou usados peões de jogos de ludo, e o dado é comprado em lojas especializadas (papelarias, lojas online, lojas de artigos escolares, de jogos didáticos, etc).



Participantes: No mínimo 2 e no máximo 4.



Regras:

Colocar as cartas num monte virado para baixo.

Jogar o dado e andar quantas casas for estipuladas. Se o pião, parar numa casa marcada (colorida), o jogador deverá tirar uma carta do monte e passar para a Evangelizadora. Esta, deverá ler para ele a questão proposta. Conforme sua resposta, ele avançará ou retornará, de acordo com o comando da carta.
Vence quem chegar ao final primeiro.

OBS: Este jogo deverá ter a participação da Educadora, pois ela terá o discernimento para julgar as respostas dos participantes e também o jogador não poderá ver o número de casas que avançará ou retornará que já está escrito na carta, pois isso influenciará em sua resposta.



domingo, 11 de junho de 2017

Música: Encontros e despedidas (Visão espírita)



Na Formação dos Filhos


Inúmeros são os irmãos que rogam, em suas vinculações com os Espíritos ou com os companheiros da luta humana um pouco mais experimentados, orientação ou sugestões para a tarefa-missão de conduzir a prole.
Muitos admitem seja a lide mais difícil da vida do lar a formação dos rebentos para os trilhos do bem, da firmeza moral.
Indiscutivelmente, não se constitui em trabalho simples o conduzimento dos filhos com vistas ao encontro com Deus, por meio da saúde moral, por meio do amor.
Entretanto, frente às dificuldades que se alevantam, descobrimos a acomodação ou a má vontade com que muitos progenitores ou responsáveis outros por crianças e adolescentes demonstram, no que diz respeito à necessidade de aprender, de esforçar-se por crescer, de ampliar as próprias condições, de modo a acompanhar o progresso dos filhos, tanto quanto lhes seja possível.
*   *   *
Em muitos casos torna-se mais fácil aceitar o que dizem parentes e vizinhos, nem sempre sintonizados com responsabilidades, com as quais já tomamos contato.
Diversos preferem entregar aos deus-dará a educação dos pequeninos, deixando-os à mercê dos vídeos, das amas e de outros dispositivos. Eles, os pais, infelizmente, continua ausentes.
A criança se assemelha a uma esponja, capaz de absorver facilmente o que lhe entregarmos à alma, seja conteúdo de nobreza ou de perversão.        ●●● ➤

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Educação e Drogas

     
     O quadro é verdadeiramente aterrador. Não podemos nutrir a ingenuidade de admitir que o panorama da toxicomania não seja preocupante.

      Tanto nos países pobres, onde carências materiais e morais são abundantes, quanto nos países ricos, verdadeiros potentados econômicos, onde o excesso de conforto material é a realidade quotidiana, ao lado da vacuidade, da falta de motivação para a conquista de valores da moralidade, tudo parece mais grave, no campo dos usos inveterados de substâncias psicotrópicas.

      Em todos os pontos, percebemos preocupações com o fenômeno da “dependência”. Em toda parte, paradoxalmente anotamos o crescimento dessa dependência enchendo de tormentos comunidades sociais inteiras, num quadro de tal modo desafiador, que pensa-se não haver saída fácil para a problemática.

      Realmente, não será fácil a eliminação de semelhantes dramas, quanto não será imediata a lide da conscientização de todos para a grande necessidade de desfazer esse pesadelo.

      Onde tem começo, então, a dependência tóxica? Como os indivíduos se alocam nesses grotões de desestruturação psico-físio-moral? Que fazer para desmontar essa tenebrosa armadilha?

      É preciso um pouco de meditação para verificarmos que tudo começa na intimidade frágil de cada indivíduo. A busca da imitação irrefletida, os processos fugitivos que as fobias engendram, os processos de revolta e desejo de vingança contra o meio social, a exibição vaidosa que se apresenta como última expressão da “moda marginal”, as graves teias de imperceptíveis ou declaradas tramas obsessivas. Mas, em todas as situações, o âmago de cada um carrega as tintas fortes de frustrações ou rebeldias, ou está assinalado por intensos vazios de desmotivação para viver, ou leva, ainda, as marcas da personalidade hipocondríaca ou exibicionista.

       Urge pensar-se sempre mais amadurecidamente na virulência do tóxico em todo lugar.

     Não se pode, com clareza mental, pensar que seja mera questão policial ou que passe pelas dimensões da política meteórica e corporativista do mundo, uma vez que políticos e policiais, quando não investidos dos valores morais devidos, certamente estarão patrocinando, usando ou mantendo execrável tráfico, destroçando cinicamente e sob o brilho de seus prestígios mentirosos, os mais nobres valores do ser humano e da sociedade como um todo, fazendo de conta que não conhecem, que não sabem, que nâo vêem o que se passa à sua volta.

        Só a educação tem o poder de transformar toda a caótica situação, pelos motivos de que se torna impossível manter uma guarda permanente junto a cada lar ou a cada pessoa, sabendo que as drogas, nas suas multifaces, hão penetrado o convívio doméstico, arrebatando, aí, os familiares desprevinidos ou profundamente perturbados, da percepção ingênua, desatenta ou indiferente daqueles que deveriam ser seus guardiães.           ...>>